Posts com Tag ‘cb radio’

No próximo domingo em Teresópolis teremos a 1ª competição de RufzXP presencial em PYLand. Será o Troféu Luiz Claudio (Bell), em homenagem ao nosso amigo PY1EO, que a pouco nos deixou.  Em nome do RDX Group e do GRATE estendo o convite a todos deste grupo para que participem da competição, que contará com prêmios (troféus) para os 3 primeiros colocados mais um troféu para a maior velocidade alcançada.

O RufzXP é um software para treinamento de CW e pode ser baixado gratuitamente em www.rufzxp.net. A configuração será no modo Toplist, conforme a figura abaixo, e será a mesma para todos com velocidade inicial máxima de 20ppm. No modo Toplist o programa emite 50 indicativos aleatoriamente, aumentando ou diminuindo 1 und de velocidade ao acertar ou errar e assim vai computando pontos conforme a quantidade de erros e velocidade de resposta do competidor.

config rufzxp

As regras são simples:

  • São duas fases: Fase Classificatória e Fase Eliminatória;
  • Na Fase Classificatória cada participante fará duas passagens pelo software e será computada apenas a maior pontuação entre as duas passagens;
  • Os 8 melhores se classificam e avançam para fase eliminatória com confronto direto em apenas uma passagem, sendo eliminado o competidor com a menor pontuação. Seguindo assim passaremos por quartas de final, semi final e final;
  • O terceiro colocado será o de maior pontuação entre os 2 eliminados na semi final;
  • Serão usados apenas o computador e fone de ouvidos da organização; e
  • Haverá transmissão simultânea de áudio e vídeo (telão) para os espectadores.

Peter PY0FMA poucos meses saiu o resultado do concurso CQWW SSB 2014. Esta edição mostrou que os brasileiros continuam mandando muito bem na competição alcançando pontuações fantásticas e cada vez mais participantes.

Porém também mostra uma marca importante para o radioamadorismo brasileiro. Trata-se da manutenção por 20 anos do recorde mundial na banda de 20 metros da estação PYØFM de Fernando de Noronha.

A história por traz desta marca fantástica começou em outubro 1992 quando Peter PY5CC (Atualmente PP5XX) visitou o amigo André Sampaio PYØFF (Atualmente PP6ZZ) no arquipélago de Noronha. Na ocasião conheceu Cláudio PY2KP e Leo PP1CZ quando em conjunto com André operaram o CQWW SSB daquele ano.

Após esta operação surgiu a possibilidade do Grupo Araucária de DX, através de acordo com André PYØFF estabelecer uma estação de competição de ponta para buscar marcas importantes no radioamadorismo nas diversas categorias de competição do CQWW e CQWPX em especial.

ZX0FImediatamente em março de 1993 o projeto foi colocado em prática com várias torres, antenas, rotores, cabos, rádios e amplificadores sendo enviados para Noronha e a instalação que ficou a cargo de André Sampaio e Peter Sprengel .

As primeiras antenas foram levantadas e os resultados não demoraram a aparecer sendo Fernando de Noronha a grande novidade na banda, seja pelo raro multiplicador ou pelo impressionante sinal. Atilano de Oms, PY5EG partiu para Noronha em outubro de 1993 e na sua primeira operação bateu o recorde  mundial da banda de 20 metros em fonia com cerca de 3.700 qso´s, 36 zonas e 157 países, impressionante marca se levarmos em conta que a operação deu-se com 200 watts de potencia e duas antenas fasadas de 5 elementos cada da M² Inc.

As instalações de novas torres e antenas continuaram em março e outubro de 2014, quando no CQWW SSB deste ano, Peter PYØFM, incentivado pelo excelente resultado de Atilano em 20 metros SSB, Single Operator, High Power, optou por repetir a operação, desta vez melhor preparado com mais potencia e outra antena o que lhe daria mais flexibilidade em termos de multiplicadores.

A estratégica adotada na operação deu resultados impressionantes com numero de contatos, zonas e multiplicadores. Nas 48 horas do conteste PYØFM trabalhou 5109 estações, em 38 zonas e 178 países melhorando a já impressionante marca de Atilano PY5EG no ano anterior.

Nos anos que se seguiram, até 2002, Fernando de Noronha sempre esteve presente nos principais contestes seja em SSB e CW em operações Multi Op. e Single Op. com muitas vitórias e recordes mundiais sendo a estação a mais vitoriosa no mundo da década de 90 e início dos anos 2000.

Durante estes 20 anos em que a marca de Peter PY5CC/PP5XX se mantém, várias fortes e competitivas estações tentaram bater porém não conseguiram o que atesta que o resultado do trabalho entre o Grupo Araucária de DX e André Sampaio PYØFF foi importante e entrou para a história. Importante enaltecer também o importante apoio da família de André Sampaio, e suporte da equipe de colaboradores da Pousada da Morena em Fernando de Noronha.

Certamente em alguma oportunidade esta marca será batida mas o que todos se perguntam é: quando será e quem o fará?. Só o tempo dirá.

Confira as principais marcas da história do CQWW SSB em 20 metros:

1    PY0FM    1994    3,202,242     5,109     38     175     PY5CC
2    D44AC    2009    3,000,096     5,326     39     159     IK2NCJ
3    VP2E      2008    2,598,938     5,205     39     154     N5TJ
4    D44TD    2004    2,570,282     4,525     40     169     IV3TAN
5    ZD8Z      1995    2,356,065     3,925     38     167     N6TJ
6    FY5FY    2011    2,275,364     4,322     38     144
7    KP2A      1994    2,255,250     4,810     38     156     KW8N
8    IG9A      2002    2,235,534     3,925     40     162     IT9GSF
9    P40A      2001    2,225,395     4,639     37     144     KK9A
10   D44TD    2005    2,222,829     4,218     38     151     IV3TAN
11   D25L      1996    2,212,080     3,699     37     171     PA3DZN
12   5B4AGC  1997    2,140,790     3,944     35     159
13   P40A      2002    2,129,650     4,185     38     153     KK9A
14   ZX0F      1993    2,111,420     3,699     36     157     PY5EG

Confira a os recordes mundiais ativos:

Um estudo sobre Antenas 20m

Por Kenny Silverman, K2KW

Qual é melhor uma antena de 20m para uma DXpedition ilha: Yagi a 25 “, ou uma vertical ou dois na praia? (Dica, você está em um site dedicado às antenas verticais – esta é uma pergunta do truque!)

“Sabedoria convencional” diria que Yagi (normalmente um ou dois tribanda elemento full-size Yagi) seria uma ótima escolha de antenas para uma DXpedition em uma praia. O que torna o Yagi tão grande? Vamos examinar as razões para usar um Yagi …

O Top 10 Razões para usar uma Yagi em uma DXpedition, mesmo quando você está na praia:

  1. Você usou Yagis em sua estação de casa
  2. Você entender como eles funcionam
  3. Yagis tem diretividade
  4. Todo mundo usa Yagis em DXpeditions, de modo que o deve ser grande
  5. e …

Hmm. Eu não consigo pensar em qualquer outra razão! Mas todos sabem que qualquer antena pelo oceano funciona muito bem, ou pelo menos “sabedoria convencional” diz-lhe assim.

OK, vamos examinar o uso de uma Yagi para uma DXpedition grave para uma ilha remota. Para essa discussão, vamos supor que você está indo em uma DXpedition de uma vida para Recife Kingman (KH5K) no meio do Oceano Pacífico. Kingman é uma ilha interessante, que é de cerca de 25 ‘de largura, e 450’ por muito tempo. Toda a ilha é composta de quebrado conchas, pedras e escombros. Não há areia, árvores, ou qualquer outra coisa. O vento sopra normalmente em um 30 mph constante. Está dias longe de qualquer tipo de ajuda médica.

Agora imagine a dificuldade de montar um triband típica Yagi, onde se você soltar uma porca, você provavelmente não vai encontrá-lo novamente. Em seguida, sua equipe tem de armstrong a 35-40 libra Yagi, que é em cima de um 25 ‘mastro, na posição vertical. Eu estou supondo que você não está mesmo indo para considerar um rotador, o que acrescentaria mais 25 lbs. a parte superior do mastro! Lembre-se que o vento está soprando, pelo menos, 30 mph, e você está em pé sobre escombros soltos. Para obter o Yagi instalado, você provavelmente vai precisar de 3-4 pessoas a andar a antena para cima e segurá-la na posição enquanto fixar a base em as conchas, encontrando pontos guy estáveis ​​(por 2 conjuntos de indivíduos, ou 6 cordas total) no escombros, e adicionando uma linha de tag para rodar o Yagi. Qualquer deslize, e um poderia facilmente se cortar sobre os escombros, ou possivelmente até mesmo quebrar um osso se você caiu. Qualquer problema relativamente pequeno assim nos trópicos provavelmente vai se tornar seriamente infectado na ordem curta. Com base no vento e as condições de risco, você provavelmente vai precisar de 4-6 pessoas por algumas horas para erguer a antena de forma segura. Isso está parecendo um grande esforço para apenas uma antena … Ahh, mas presuntos espera valem o esforço não são?

Talvez, mas sua saúde vem em primeiro lugar. Você pode se perguntar – há uma maneira mais fácil e melhor?

Primeiro, vamos pensar um pouco mais sobre a propagação para Recife Kingman. Kingman é no meio de nenhum lugar, mais precisamente, no meio do Oceano Pacífico. Com base nas distâncias das três principais áreas-alvo, mais descolar ângulos são susceptíveis de ser muito baixa, geralmente inferior a 10 graus, e muitas vezes abaixo de 2 graus! A Europa é o principal alvo, e você provavelmente vai gastar metade do seu tempo de operação no longo caminho (normalmente muito baixos decolar ângulos). A maioria das antenas Yagi típicos têm uma largura de feixe de cerca de 60 graus, o que significa que você provavelmente vai ter de virar a Yagi para cada uma das principais áreas-alvo:

Como chegar para atingir áreas de KH5K:

JA: ~ 305 graus

Europa: a partir de ~ 355 graus para 20 graus (que é a principal ênfase para a expedição)

EUA: ~ de 43 graus a 58 graus

Continuando com nosso original “Yagis são a melhor” cenário, continuam convencidos de que a Yagi ainda é a melhor antena. E se eu lhe dissesse que um simples quarto de onda vertical no oceano, ou melhor ainda um 2 elemento dipolo vertical, matriz, seria um performer muito melhor! Eu posso ouvir os especialistas dizendo: “Verticais são para crianças” ou “Os homens reais usam Yagis!” Você acredita que não há nenhuma maneira que uma Yagi pode ser inferior a um vertical!

Então, por que você acha que setores funcionam tão mal? Porque “sabedoria convencional”, diz isso? Infelizmente “sabedoria convencional” sobre o desempenho de antenas verticais geralmente vem de comparar uma Yagi em casa para o preso vertical no quintal. Em casa o Yagi será melhor, mas não sobre o oceano! No oceano, você vai ver que verticais são a escolha certa para antenas de alto desempenho, que só acontecerá a ser mais fácil de instalar também!

Primeiro, deixe-me dissipar um mito de longa data: Antenas horizontais sobre a água salgada não obter qualquer melhoria a partir da água de sal (de um aumento da condutividade do solo). Bem, para ser exato, quase todos os ângulos úteis para propagação HF obter melhoria útil pouca ou nenhuma. A antena horizontal (e assim faz o vertical) recebe um benefício do oceano, porque o oceano apresenta um primeiro plano sem perturbações para a energia de entrada e out-going.A água salgada também tem menos perda de solo típico para cada reflexão. Para mostrar a você o impacto da condutividade do solo, foram criados os dois seguintes figuras: Figura 1 (abaixo) mostra que a decolagem ângulos na faixa de 30-90 graus (para cima) não obter alguma melhoria limitada da água salgada. Figura 2 (abaixo) compara a 2 elemento da matriz vertical sobre terra e água salgada. A única antena que recebe reforço de sinal significativa por estar ao lado, ou sobre, água salgada é uma vertical. Na verdade, verticais obter cerca de um aumento de 6 dB de ganho quando colocado sobre a água salgada, ea radiação no ângulo pseudo-Brewster é preenchido (o que é radiação em ~ 12 graus).Sinais de que a água salgada está aprimorando direita foram a maioria dos sinais DX estão chegando – no ângulo pseudo-Brewster !!

Figura 1: 2-element Yagi a 25 ‘por terra e água salgada.Ganho de pico é de 10,40 dBi (mais de água salgada) a 38 graus decolar ângulo neste projeto. Figura 2: 2-elemento dipolo verticais array (parasitas) sobre a terra e água salgada média. Ganho de pico é de 10,01 dBi (mais de água salgada) com 8 graus decolar ângulo neste projeto.

OK. Vamos voltar para Kingman.

Sugeri que uma simples vertical, seria melhor para tomar mais útil fora ângulos … deixe-me mostrar-lhe porquê. A Figura 3 (abaixo) compara a 2 ELE Yagi a 25 ‘altura sobre a água de sal em comparação com uma onda 1/4 vertical sobre água salgada. A antena com lotes de ganho em 40 graus decolar ângulo é o 2-element Yagi a 25 ‘. A outra antena é a 1/4 de onda vertical. Aviso prévio, a decolar ângulos inferiores a 10 graus, a vertical é mãos para baixo vencedor! Você pode salientar que a Yagi tem mais “ganho”. Isso é verdade, mas o dB extra ou dois ganho é em descola ângulos que não importam! Um simples vertical através do oceano podem e normalmente irá superar uma Yagi na maioria dos caminhos DXpedition típicos, porque a energia a partir da vertical tem menos saltos para a meta! É tudo uma questão de os ângulos dos sinais que chegam.

Figura 3: Yagi a 25 ‘em relação a uma onda 1/4 vertical sobre água salgada

Como você viu na Figura 3, o quarto onda vertical é um bom executor. Ainda melhor para a nossa expedição Recife Kingman é que um único vertical é realmente peso leve (talvez 3-4 libras para o 16 “vertical), e pode ser montado e instalado em apenas alguns minutos. Em comparação com o Yagi, a vertical só precisa de alguns ornamentos; fixação rudimentar, e você não precisa se preocupar em virar a antena! E uma vez que você está indo lá para operar, você pode estar no ar em 30 minutos, se você queria! Tente fazer isso com o Yagi.

Eu aposto que alguns de vocês não estão convencidos ainda que uma única 1/4 onda vertical é uma escolha boa o suficiente. OK, deixa-se o “anti vertical” um pouco, e em vez de um quarto de onda vertical, vamos examinar a 2 elemento matriz vertical parasita usando 1/2 de comprimento de onda dipolos verticais. Para entender melhor o que essa matriz parece, imagine um elemento 2 Yagi na vertical, mas menos o mastro e retranca para apoiá-lo (muito menos peso total). (Ver imagem à direita)

Existem algumas vantagens do uso de dipolos verticais (comparada quarto elementos de comprimento de onda): eles eliminam a necessidade de radiais, e elevando o ponto de alimentação, você consegue um adicional de 1,5-2,0 dB de ganho em baixas decolar ângulos. A matriz vertical parasitária (vs. uma matriz faseada) é uma maneira fácil de aumentar o ganho e diretividade, mas ainda é muito fácil de instalar e ajustar. A matriz parasita precisa de menos peças do que elementos em fase, o que é um aspecto importante na DXpeditions. Figura 4 (em baixo) compara o elemento 2-Yagi a 25 ‘para a matriz vertical 2-elemento usando dipolos verticais. Você pode ver que a matriz vertical agora tem quase o mesmo ganho de pico como o Yagi, mas o ganho é focado exatamente onde a maioria dos sinais que chegam são provenientes de: 0-10 graus! E as verticais são agora os vencedores claros 0-20 grau tirar ângulos – que poderia pedir mais? Uma vez que muitos dos sinais estão chegando em torno de 1 grau decolar ângulo, muitas vezes as verticais pode ser de 20 dB mais forte do que Yagi! Falar de uma antena de banda de abertura!

Figura 4: Yagi @ 25 “em comparação com uma matriz vertical de 2 elemento usando dipolos verticais

Mas tenho certeza de que os Yagi-amantes estão dizendo:. “Eu aposto que se você fosse capaz de obter o Yagi até uma boa altura como 50 ‘, que certamente iria vencer a matriz vertical Pense novamente gajo Primeiro, a instalação! uma Yagi de 50 ‘em uma DXpedition é difícil, se não impossível. Em segundo lugar, ainda não se compara com a matriz vertical! Figura 5 (abaixo) compara a 20m 2-element Yagi a 50’ para a matriz vertical. Tenha em conta que o Yagi tem agora uma grande quantidade de energia que está sendo irradiada para cima. Claro que o lóbulo principal é reduzido, mas o 2-elemento vertical ainda será melhor na maioria dos sinais DX.

Lembre-se, que uma típica tribanda pesa pelo menos 35-40 lbs., E adicionar mais 20 libras ou assim para o mastro, para um total de pelo menos 55-60 libras. Um elemento dois full-size dipolo vertical, matriz para 20m não pesa mais de 18 lbs. se devidamente construída. A matriz vertical é muito mais eficiente se você considerar uma métrica fundamental para DXpeditions: dB por Pound de antena.

Figura 5: Yagi @ 50 ‘em relação ao 2-elemento matriz vertical usando dipolos verticais

E você ainda precisa de mais convincente? OK, a Figura 6 (abaixo) é a energia em 5 graus decolar ângulo. A antena com todo o sinal (o grande) é a matriz vertical 2-elemento que tem 9,9 dBi em 5 graus decolar ângulos. A antena que se encontra abaixo de 12-20 dB em todas as direcções, é a boa Yagi ole em 25 ‘… Outro ponto importante é que um elemento de matriz vertical 2 tem um padrão muito grande, que é da ordem de 120 graus em relação aos pontos de -3dB .Assim, a matriz vertical 2-elemento pode abranger todas as três principais áreas-alvo sem virar a antena!. Além disso, se houver chamadores de outras direções (presume que há um caminho de água nessas direções), a vertical tem ganho mais útil do que a Yagi faz em azimutes que estão fora do lado ou atrás da antena.

Figura 6: Energia a 5 graus decolar ângulo de uma Yagi @ 25 ‘em comparação com uma matriz vertical de 2 elemento usando dipolos verticais

Alguns dos especialistas pode ainda dizer que este foi um “Made up” exemplo … Desculpe desapontá-lo, mas o exemplo Kingman Reef era real, e foi com base nas discussões de planejamento para a próxima Recife Kingman DXpedition.Para muitos DXpeditions ilha, matrizes verticais deve ser dada mais atenção nas bandas altas do que atualmente estão recebendo.

Os modelos de computador tem sido verificada por testes empíricos que fizemos de salinas ao disparar sobre a água salgada. Os dados medidos segue o modelo. Verticais foram selecionados para os locais “Equipe verticais”, no Caribe e comparações com full-size Yagis foram feitas, confirmando os modelos, também. As comparações foram feitas ao longo de muitas horas contínuas de mudança e para trás, com diferenças de até 9 S-unidades (em um ‘medidor MP), com média de 2-4 S-unidades, a favor das verticais. A Equipa Vertical Yagis foram usados ​​ocasionalmente durante as competições, mas apenas para cobrir as direções onde as verticais tem nulos. Esta poderia ser uma daquelas situações em que se você ainda não tentei, você não percebe o que está acontecendo. Como bom é um conjunto vertical maior usando dipolos verticais? Tom, N6BT, comentou que eles são verdadeiramente a par com as grandes conjuntos de cortina comercial que ele usou em Saipan. A água salgada é a chave para mercados verticais. Se você pode chegar perto de água salgada, ou literalmente sentar-se à direita em que, como em Recife Kingman, verticais são a resposta para antenas de alto desempenho – além de ser significativamente mais fácil de transportar e set-up.

73, Kenny K2KW

Um agradecimento especial a Tom Schiller, N6BT, para a oferta de entrada para este artigo.

Serviço Rádio do Cidadão iniciou-se nos Estados Unidos em 1947 quando a Comissão Federal de Comunicações (FCC) abriu o licenciamento, para uso do público em geral, da banda de 460-470 MHz. Em 1948 foram introduzidas três classes deste serviço ( A, B e C) mas a tecnologia daquela época não era suficientemente avançada, para fornecer equipamentos de baixo custo, capazes de operar na faixa de frequência designada.

Em 1958 a FCC revogou parte da banda dos 11 metros (27 MHz) previamente compartilhada por radioamadores e usuários industriais para o Serviço Rádio do Cidadão, criando uma nova classe do serviço, a Classe D . A banda foi dividida em 28 canais, 5 dos quais foram reservados para equipamentos de telecomando (brinquedos e outros aparelhos controlados por controle remoto).

Em plena década de 70, nos Estados Unidos, o Rádio do Cidadão alcançou a sua maior popularidade e em 1976 mais 17 canais foram adicionados, criando-se a faixa normalmente conhecida como Faixa do Cidadão que vai de 26.965 a 27.405 MHz (40 canais + 5 telecomandos).

Em 1977, nos Estados Unidos, 15 milhões de norte-americanos possuíam licença para utilizar esta faixa, entretanto as autoridades estimavam em 100 milhões o número de aparelhos em circulação.
Em 1983 a FCC deixou de requerer a licença para operação, após uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos, que declarou ser inconstitucional licenciar o cidadão no direito da livre expressão pessoal e/ou comunicação.
Na Europa, o Serviço de Radio do Cidadão, que é chamado oficialmente de Radiocomunicações Pessoais 27′ (PR 27′), foi introduzido nos anos 60.

Nos anos 80 , os vários governos europeus já tinham suas próprias legislações e alguns, reconhecendo que deveriam ser desenvolvidos serviços de melhor qualidade, facilitaram o uso da faixa dos 900 MHz.

Em 1984, o Parlamento Europeu reconheceu “a importância do uso do Rádio do Cidadão como meio de expressão e comunicação para os cidadãos da Comunidade Europeia.” (Resolução de 30.03.1984). Com o avanço da tecnologia das telecomunicações (como por exemplo: o surgimento da telefonia celular que opera na faixa dos 900MHz ) e a intenção de unificar as legislações dos países que formam a Comunidade Europeia o panorama mudou bastante, hoje em dia o Serviço na Europa está bastante restrito não se poder utilizar antenas direcionais de alto ganho, e a potencia está limitada a 4 watts.

Em 1965, mesmo ilegais, grupos de Radioamadores e também iniciantes do Brasil inteiro, usando equipamentos de montagem própria, já operavam nas frequências de 27mhz apaixonados pelo baixo ruído de estáticas (comparados as bandas de 40 e 80 metros) e o uso de antenas menores e eficientes. Eles eram reconhecidos provisoriamente pelos serviços de fiscalização de Radioamadores e classificados como BX (carinhosamente chamados de BATATA XINGÚ) a qual cabiam a eles todas as responsabilidades de eventuais interferências.

Finalmente em 1970, o serviço de Rádio do Cidadão foi introduzido no Brasil inicialmente com 23 canais e mais 5 telecomandos imitando a legislação americana e tendo seu uso destinado para fins profissionais e familiar. Em 1979, atendendo aos pedidos dos milhares operadores dessa faixa e aos presidentes de vários grupos organizados, uma nova portaria (01/80) ampliava então para 60 o número de canais sendo 26.965 mhz como canal 1 e 27.605 mhz como canal 60 (60 canais + 5 telecomandos),  em 20006  a  RESOLUÇÃO ANATEL Nº 444, DE 28 DE SETEMBRO DE 2006 aumentou o numero de canais da Faixa do Cidadão no Brasil, Art. 2º Destinar a sub-faixa de 26,960 MHz a 27,860 MHz para o Serviço Rádio do Cidadão, em caráter secundário e uso não exclusivo.

Em alguns paises da Europa, prevalecem até hoje, apenas 16 canais e em outros como o Japão, o serviço foi definitivamente cancelado, Na Austrália e Nova Zelândia o Serviço é executado na Faixa de UHF.

 

 

 

 

 

No Próximo Final de Semana nos dias 13 & 14 de Dezembro, teremos um dos contestes mais tradicionais do Calendário de conteste e o ultimo dos grandes contestes de 2014, a cada ano cresce a participação de estações Brasileiras neste conteste, é gostoso de ver toda a banda cheia de 28 a 29 mhz , estações disputam cada khz da banda, desejo boa sorte aos amigos, estaremos a disposição de auxiliar os amigos seja com a configuração do programa de log (n1mm) ou regulamento.

73´s

PY8WW

Segue Abaixo  Regulamento em Português.

2014 ARRL 10 Metros Conteste – REGRAS

Objetivo: Para Radioamadores do mundo inteiro trocarem informações com o maior número possível de estações na banda de 10 metros

Data e Duração:  Segundo final de semana cheio de Dezembro começando a 00:00 UTC de Sábado até 23:59 UTC de Domingo (13 e 14 de Dezembro de 2014)

2.1. Todas as estações não podem operar mais que 36 horas do periodo de 48 horas.
2.2. Ouvir, conta como tempo de operação.

Categorias:
3.1. Operador Simples: (9 categorias)
3.1.1. QRP.
3.1.1.1. Modo Misto (Fonia e CW). 3.1.1.2. Fonia 3.1.1.3 CW
3.1.2. Baixa Potência
3.1.2.1. Modo Misto (Fonia e CW). 3.1.2.2. Fonia 3.1.2.3 CW
3.1.3. Alta potência.
3.1.3.1. Modo Misto (Fonia e CW). 3.1.3.2. Fonia 3.1.3.3 CW
3.2. Multioperador, Transmissor único, modo misto (CW + PHONIA – Apenas)
3.2.1. Inclui operadores únicos usando packet ou spotting assistência.

Reportagem:
4.1. Estações W/VE (Incluindo Havaí e Alaska) envia a reportagem de sinal e o estado ou província (estações do distrito de Columbia enviam reportagem de sinal e DC)
4.2. Estações de DX (incluindo KH2, KP4, etc) enviam reportagem de sinal e número sequencial iniciando por 001.
4.3. Estações móveis marítimas mandam reportagem de sinal e região ITU (R1, R2 ou R3)

4.3. Estações mexicanos transmitir RS (T) e seu estado.

4.4. Estações móveis marítimos enviar RS (T) e ITU Região (R1, R2 ou R3).

Pontuação:
5.1. Pontos por QSO:
5.1.1. Dois pontos por contato completo em fonia.
5.1.2. Quatro pontos por cada contato confirmado em CW.
5.2. Multiplicadores: (por modo, fonia e CW)
5.2.1. Cada estado americano e o distrito de columbia. Canada [NB (VE1, 9), NS (VE1), QC (VE2), ON (VE3), MB (VE4), SK (VE5), AB (VE6), BC (VE7), NWT (VE8), NF, (VO1), LB (VO2)], YT (VY1), PEI (VY2) NU (VYØ).
5.2.3 Paises DXCC (esseção ao USA e Canadá) KH6 e KL7 participande e contando com estado amerdicado e enviando HI ou AK como part do seu contato
5.2.4. Zona ITU (apenas móveis maritimos)
5.3. Pontuação Final:  Multiplicar os Pontos totais pelos multiplicadores (a soma de estados/provincias canadenses/DXCC paises/ITU zone) Exemplo

Miscelânia
6.1. Operadores simples modo misto e multioperadores podem trabalhar estações tanto em CW como em SSB.
6.2. Seu indicativo de chamada deve indicar o seu país DXCC se concorrentes como DX.
6.3. Todos os participantes podem apenas emitir um sinal no ar a qualquer momento.
6.4. Todos os contatos em CW devem ser feitos abaixo de 28.3mhz.

Premios: certificados serão concedidos à:
7.1. O maior pontuador operador simples em cada categoria para cada ARRL/RAC seção e paises DXCC
7.2  Maior multioperador em cada Divisão ARRL, Canada e cada continente
7.3  Certificados adicionais serão Concedidos como Garantia de participação

Miscelânia
8.1. Todos os logs eletronicos (gerados por computador) devem ser do tipo arquivo texto ASCII com as informação em formato cabrillo. impressões em papel de arquivos eletronicos não serão aceitos.
8.2. Logs em papeis escritos a mão serão aceitos.
8.3. Todos os logos devem ser enviados por e-mail até 00:00 UTC quarta feira dia 13 de janeiro de 2010.
8.4. Email para envio de logs: 10metet@arrl.org . Organização requer log em formato cabrillo com todas as informações necessárias ( Incluindo sinal enviados, categoria, potencia – olhar em regras gerais para especificação de arquivo)
8.5. Aquivos eletronios não Cabrillo serão checklog
8.6. Logs em papeis deverão ser enviados pelo correio à: 10-Meter Contest, ARRL, 225 Main St, Newington, CT 06111.
8.7. Logs em papeis podem ser enviado em um formulário válido Arrl ou um fax.
8.7.1. FormularioS estão disponível para downloads na seguinte página http://www.arrl.org/contests/forms/
8.7.2. Formumários são aceitos por um SASE enviado para o Concurso.
8.8. Logs podem ser apresentados via web através de www.b4h/cabforms
8.9. Veja “regras Gerais para todos os contestes ARRL” e “Regras gerais para contestes ARRL em bandas abaixo de 30MHZ (hf)” on the ARRL Web

ANEXO A: Lista dos 14 multiplicadores do Canadá:
NB – New Brunswick (VE1, 9)
NS   – Nova Scotia (VE1)
QC   – Quebec (VE2)
ON – Ontario (VE3)
MB   – Manitoba (VE4)
SK   – Saskatchewan (VE5)
AB – Alberta (VE6)
BC – British Columbia (VE7)
NWT   – Territórios do Noroeste (VE8)
NF – Newfoundland (VO1)
Libra   – Labrador (VO2)
YT   – Yukon Territory (VY1)
PEI   – Prince Edward Island (VY2)
NU   – Nunavut (VYO)

Apêndice B:   Lista dos 32 estados mexicanos ( Ver mapa )
Aguascalientes (AGS)
Baja California (BAC)
Baja California Sur (BCS)
Campeche (CAM)
Chiapas (CHI)
Chihuahua (CHH)
Coahuila (COA)
Colima (COL)
Distrito Federal (DF ou DFE)
Durango (DGO)
Estado de México (EMX)
Guanajuato (GTO)
Guerrero (GRO)
Hidalgo (HGO)
Jalisco (JAL)
Michoacán (MIC)
Morelos (MOR)
Nayarit (NAY)
Nuevo León (NLE)
Oaxaca (OAX)
Puebla (PUE)
Querétaro (QRO)
Quintana Roo (QUI)
San Luis Potosí (SLP)
Sinaloa (SIN)
Sonora (SON)
Tabasco (TAB)
Tamaulipas (TAM)
Tlaxcala (TLX)
Veracruz (VER) Yucatán (YUC)
Zacatecas (ZAC)

Data: 04 de dezembro de 2014
Press Release: K1N Navassa Ilha DXpedition
De: KP1-5 Projeto

O Projeto KP1-5 e os EUA Fish & Wildlife Service têm trabalhado em conjunto sobre os preparativos para a nossa visita conjunta 14 dias para Navassa Ilha NWR. Embora as datas reais ainda pode variar, parece agora vamos começar o transporte para a Ilha durante a última semana de Janeiro de 2015.
Nosso recipiente de equipamentos e suprimentos partirão no final de dezembro a caminho de nossa área de preparo de helicóptero. Todo o nosso equipamento está sendo montado, testado e embalado.
Temos visitado e contratado com o maior grupo de operações de helicóptero no Caribe para transferir o pessoal e equipamento para a ilha. Nossa janela de oportunidade, ditada por USFWS, é durante o período de menos de nidificação de aves. Mas é também o tempo dos mares mais traiçoeiros, fazendo um pouso seguro mar de todos os nossos equipamentos e as pessoas quase impossível. A famosa escada”, utilizado para acessar a ilha em Lulu Bay foi removido quando a Guarda Costeira dos EUA virou administração para os EUA Fish & Wildlife Service. Por razões de segurança, o USFWS usa helicóptero de transporte para a ilha e nós também.
Por conseguinte, e como seria de esperar, os custos desta DXpedition são bastante elevados. A equipe já contribuiu com cerca de metade do custo total. Fundações como NCDXF e INDEXA têm sido muito generosos, como ter um número de DX Clubes e indivíduos, e por esta generosidade, estamos profundamente gratos!
As informações relativas a este DXpedition exigir mais “adiantado” pagamentos que a maioria dos DXpeditions e temos uma situação de “timing do fluxo de caixa“, que precisa ser tratada. O acordo contratual helicóptero exige que todos os custos charter a ser pago antes da conclusão do projeto. Muitos radioamadores mais velhos precisam de um modo ou de preenchimento banda de Navassa, mas toda uma geração cresceu sem Navassa estar no ar. Por isso, subiu para o # 1 Most Wanted na lista ClubLog. Se você precisar de Navassa para um todo-time novo (ATNO), ou para um modo de determinada banda ou, poderíamos usar a sua ajuda financeira. Se você planeja para ajudar a apoiar o DXpedition, pedimos que você faça isso agora, não mais tarde.
Temos uma excelente equipe de quinze operadores que serão lotação oito estações de 24 horas / dia, dedicado a dar a tantos contatos quanto possível ao longo do período de duas semanas.
Seu presente financeiro generoso ajudará a garantir uma DXpedition de maior sucesso para todos!
Por favor, visite http://www.navassadx.com para mais detalhes.

Para o Projeto KP1-5,
Bob Allphin, K4UEE, presidente
Glenn Johnson, W0GJ, vice-presidente
Mike Thomas, NA5U, secretário

A tão esperada dx Expedição para Cocos Island ( TI9) já tem data definida, a operação irar ocorrer entre os dias 16 & 23 de Fevereiro, A expedição é bastante aguardada pelos Brasileiros que pretendem trabalhar uma nova entidade em 50 mhz, visto a facilidade de propagação para aquela zona geográfica,  O time será formado por 3Z9DX, K7CO & TI2HMJ e estará ativo em HF & 50 MHZ.

Um time está sendo fomentado para uma grande expedição em 2016 na Palestina, até o presente momento o grupo está formado por EA4AK, EA7JX, HB9OCR, MM0NDX, S50O, S59M, a data ainda não está definida, A Palestina é 48 º DXCC mais procurado.

Segundo Rádio Amadores Chilenos, Um grupo formado por membros do Rádio Club de Concepción (CE5JA), estará ativo nos dias 05 & 06 de Dezembro, na ilha Quiriquina, Quiriquina faz parte do grupo de Iota SA-070 e está localizada no oceano pacifico, é uma ilha administrada pelas forças armadas do Chile. Boa caça.